sexta-feira, 30 de novembro de 2007

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Jack Pierson

Desejo/Desespero


RosesRosesRoses, 2005






Este artista compra em ferro-velho os letreiros antigos de Las Vegas e monta as palavras com letras de estilos diferentes

Jack Pierson nasceu em 1960, Massachussets, EUA. Participou da Bienal do Whitney Museum de 2004 e 1993. Em 2007, participou da Trienal Bovisa, em Milão. Já expôs no Centre Georges Pompidou, Paris, na Galeria de Arte Contemporânea da Bologna e no MAC-Miami.

Jannis Kounellis

Paul Klee

E

e


With the red X, 1914


Watercolor on paper, 32.7 x 24.8 cm


Scherzo with Thirteen, 1922.
Ink transfer drawing with watercolor, ink, and pencil on paper on board
27.9 x 35.9 cm

During his tenure at the Bauhaus, Klee explored distinctive ways of image–making, including transfer drawings. This work was executed by tracing the lines of a pencil drawing through a black-inked surface onto another clean sheet of paper. The clean sheet received the outline of the drawing in black as well as additional smudges of excess pigment, to which Klee then directly added motifs in watercolor and ink. The arching and angled arrows, before which whimsical figures appear to dance, indicate motion and spatial depth. The reference to music, a mainstay in Klee's life and in his Bauhaus activities, is underscored by the word "scherzo," referring to a vigorous and playful composition, in the work's title.


O wide format

Vila R




quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Brion Gysin

Trecho do livro “Here to Go”, uma coleção de entrevistas com Gysin escrito por Terry Wilson.

I first became interested in calligraphy when I was being taught Japanese in the army, during the war … and in the Japanese language school had a number of Japanese instructors, and as I was a painter and interested in painting, and in paint brushes, and in ink, uh, I learned quite quickly to understand some of the depth, not just simply for the purpose of recording the language, but the philosophy behind the attack that the brush makes onto paper, so forth and so on, the running of the ink and all those rather more abstruse meanings of Oriental calligraphy… but from the pictorial point of view it didn’t satisfy me because it hangs off the page; as you know, if you see lines of Japanese writing it hangs like vines, pinned at the top of the page and sort of dangling down at different lengths across, and not to my mind at that time satisfactorily employing the Occidental picture space, which is essentially a page as a picture is a page, or even as an icon is essentially a page, and, uh, when I went to Morocco I was immediately interested in the movement of Arab writing which goes, as Japanese does, from right to left, instead of ours does, left to right… but I saw that combing the two, as if one took a page and wrote Japanese from top to bottom and Arabic across it from right to left, formed a sort of gridwork which covered and integrated the picture space…

Qi Bai-shi

Caligrafia

equilíbrio entre texto e imagem.
nenhum elemento pode ser removido sem desestruturar a composição.

imagem citada no livro de Carl Dair, "design with type".

Ikko Tanaka





Man and Writing, 1995
1030 x 728 mm
Cartazes da série "O homem e a escrita", uma exposição realizada em 1995 com o tema história da escrita. Em cada cartaz, uma imagem que identifica um aspecto cultural ou geográfico é associada a um tipo de escrita, do hieróglifo ao ideograma, do alfabeto grego e latino ao árabe.

ideogramas


ideograma antropomórfico, em laca aplicada sobre madeira

ideogramas

Ex-libris do poeta português Camilo Pessanha, que morou em Macau.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Maurizio Nannucci


Sessanta verdi naturali
Innsbruck, Galerie Taxispalais; Firenze, Galleria Renzo Spagnoli, 1977.
1000 ex. 33,5 x 11,2 cm [24] p.

Il libro nasce all'interno di una più ampia ricerca sul colore che Nannucci iniziò attorno al 1970 e che aveva come obiettivo lo studio del rapporto luce-colore, ma anche dei relativi usi e significati. Fatto uno studio su campionature di colori prodotti industrialmente che fece rilevare risultati approssimativi e aleatori sulle possibilità di individuare un codice cromatico di base, Nannucci cercò risposte più convincenti cercando nell'ambito naturale esempi di colore allo stato puro, essendo la natura origine e riferimento di ogni fatto cromatico. Da qui la ricerca sul colore verde a partire dalla campionatura di 60 piante, fotografate a grandezza naturale in un solo campione ognuna. Lo studio della nomenclatura relativa alle varie specie botaniche doveva servire, in una sorta di work in progress, alla definizione di una più corretta nomenclatura cromatica. (via Biblioteca Panizzi)

Julio Plaza

Poemóbiles. Julio Plaza & Augusto de Campos

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Nuno Ramalho


Sem título, 2005
Guache sobre cartão prensado
Dimensões variavéis (instalação)

Untitled, 2005
Gouache on cardboard
Dimensions variable (installation)

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Yamashiro


Ryuichi Yamashiro, japanese poster

Geofroy Tory

Conhecedor da obra Divine Proporpione, o tipógrafo Geofroy Tory (1480-1533) utilizou a teoria das proporções derivadas da figura humana como a base dos seus desenhos, mapeando o corpo humano numa grelha sobre a qual ele baseou as suas maiúsculas — uma idéia característica do primeiro Renascimento e puramente humanista, em seu livro Champfleury: Auquel est contenu L´art & Science de la deue & vraye Proportion des Lettres Attiques, qu’on dit autrement Lettres Antiques, & vulgairement Lettres Romaines proportionnées selon le Corps & Visage humain. [Drucker, Johanna. The alphabetic labyrinth, London, Thames and Hudson, 1999, p.164]



O livro de Geofroy Tory na íntegra:

http://www.octavo.com/editions/trychf/#

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Raoul Hausmann


offeahbdc, 1918
32,5 x 47,5 cm. col. Centre Georges Pompidou


cartazes feitos com tipos de madeira, 1917

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

All type

Cartaz da 8ª Bienal de São Paulo, 1965

terça-feira, 20 de novembro de 2007

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Jackson Mac Low

score

innisfree

poem (oilstick on paper)


O poeta norte-americano Jackson Mac Low ganhou um site como homenagem póstuma, onde podem ser encontradas informações a respeito de suas obras, e também livros e CDs.

poema visual


eu andava em seus lábios quando você perguntou onde eu andava

poema visual de amir brito, 1998

Raban Maur

manuscrito do poema abaixo, pertencente à biblioteca do Vaticano

Página do livro "Poemas em Louvor da Santa Cruz",
do monge alemão também conhecido como Rábano Mauro


O medievalista Paul Zumthor analisa um dos "carmina figurata", poemas que colocam em evidência a unidade conceitual e simbólica da página: versos iguais em número de letras, compostos de modo a conter, em lugares determinados, letras tais que formem (extraídos das palavras às quais pertencem e religadas umas às outras) uma frase revelando o sentido oculto do poema. O texto pode ser acessado no site da revista da USP.

Miró

Uma estrela acaricia o seio de uma negra
(une étoile caresse le sein d'une négresse)

domingo, 18 de novembro de 2007

Bembo





Acima, páginas do livro para crianças Bembo´s Zoo. Existe uma animação que mostra estes animais, todos desenhados usando a fonte Bembo: http://www.bemboszoo.com/Bembo.swf

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Amélia Toledo

Rosa Contemporânea , 1965
Papel de arroz recortado, 24 x 24 cm
"Rosa Contemporânea - para Fernando Lemos (1965) explora as possibilidades temporais oferecidas por um objeto que, como uma música, só pode ser explorado na sua totalidade se o for sequencialmente. O quadrado, de 24x24 cm, de papel rugoso cor-de-rosa é a embalagem dentro da qual se encontram as páginas, pétalas secas de papel de arroz branco, todas elas com partes de um mesmo círculo recortadas em seu centro. As camadas de papel, que ao início formam a moldura espêssa e branca desse círculo rosa cavado em seu interior, gradativamente abandonam sua candidez em direção ao rosa, na razão do ritmo compassado com que são folheadas. A pressão dos nossos dedos, pegando uma a uma as folhas delicadas, levando-as desajeitadamente, porque se trata de planos diáfanos e em parte vazios, de um lado para o outro, alisando-as em seguida para que não se dobrem e não sejam amassadas pelas folhas subsequentes, vai fazendo com que tomemos consciência dos veios que atravessam as lâminas translúcidas, sua irregularidade, suas fibras, nervos estruturais que garantem a resistência de cada página."

Agnaldo Farias, em "Amélia Toledo: as naturezas do artifício", 2004. via cadernos afetivos

Gênesis, 1959
Livro-objeto em papel de seda e papel de arroz, 19 x 19 cm.

Divino Maravilhoso - para Caetano Veloso, 1971
Livro objeto em papel e acetato com fotomontagens, 35 x 35 cm.

Livro da Construção, 1959
Papel cartão recortado e papel se seda, 22 x 20 cm.